Weby shortcut
4884
Museu de Arte de Goiânia (Foto: reprodução)

O experenciar arte em Goiânia

Os locais de visitação são poucos e há escassez de investimentos federais que não contribuem para a democratização do acesso

Por Nayara Urzêda

Entre grande parte da população de Goiânia, o experenciar arte ainda é deixado de lado. Os museus da capital goiana são poucos e praticamente abandonados no que tange a investimentos federais. Segundo o professor de Museologia da Universidade Federal de Goiás (UFG), Dr. Jean Tiago Baptista, além da escassez de recursos os museus sofrem ainda com a falta de visitação.

Um dos motivos seria a pouca identificação com o acervo, como no caso dos museus que exaltam os bandeirantes e que, há muito sabemos, não delegaram grande apreço pelos que aqui já habitavam.

De acordo com o professor, ações como a do Museu Antropológico da UFG, em que houve participação dos índios Karajás para composição do acervo deveria ser seguida. A representação de negros, índios, LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) precisa ser considerada.

 

Museu de Arte de Goiânia

O Museu de Arte de Goiânia (MAG), inaugurado em 1970, é um dos principais centros de exposição do estado de Goiás. Obras de vertentes diversas podem ser encontradas na Sala de Exposição do Palácio da Cultura (SEPAC), que faz parte da MAG. Siron Franco, DJ Oliveira, Gustav Ritter e Amaury Menezes estão em os autores que podem ser apreciados no local.

Segundo Cida Magalhães, funcionária do órgão, atividades como palestras sobre literatura e teatro, bem como exposições de pintura, fotografia e artesanato acontecem no Palácio da Cultura. Cida comenta que o público de visitantes compreende desde jovens, estudantes, escritores até diretores de cinema, porém o número ainda é pequeno.

 

Serviço:

MAG 

Endereço: Rua 1, nº 605, Bosque dos Buritis, Setor Oeste

Telefone: 3524-1190

Horário: terça a sexta-feira, das 9h às 18h e sábados e domingos, das 10h às 16h

Entrada franca

Listar Todas Voltar