Weby shortcut
4884

Longe do bosque com a sua sujeira

Grande quantidade de lixo no bosque Auguste de Sant-Hilaire chama atenção para a necessidade de preservação do local

Por Lorena de Sousa

 

Fundado em 21 de setembro de 1978, o bosque Auguste de Sant-Hilaire é a parte mais bonita da paisagem observada diariamente pelos estudantes do Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás. A área inicial do bosque era de trinta e um mil metros quadrados, mas foi ampliada posteriormente. O local conta com trilhas para os visitantes, além de algumas mesas e bancos para quem quer se sentir mais perto da natureza. Se você quer saber mais sobre a história do bosque, veja esse link.

"É ótimo ter um espaço como em meio a tantos prédios", contou Henrique Motta, estudante de filosofia. Ele conta ainda que essa interação com a natureza já faz parte de sua rotina, e que todos os dias ele senta nos bancos do bosque por alguns minutos para se "desestressar" da rotina acadêmica. "Até com os macacos eu já me acostumei", disse, referindo-se aos macacos que vivem ali.

 

Lixo

 

Um problema enfrentado pelos que querem preservar o bosque Auguste de Sant-Hilare é a quantidade de lixo que só aumenta. Os macacos costumam revistar as lixeiras próximas e levar embalagens para a mata, deixando por ali mesmo. Além disso, muitos dos que passam pelo local não têm um lugar adequado para despejar seu lixo, já que as lixeiras são inexistentes.

Assim, a sujeira vai tomando conta do bosque. E ela chega a assustar, especialmente nos dias em que se realizam eventos na Universidade, como o Espaço das Profissões no mês de abril. Apenas duas lixeiras foram colocadas próximo a ele, o que se somou à falta de consciência ambiental e resultou em uma quantidade exorbitante de lixo.

Uma solução apresentadas pelo estudante Henrique Motta são as lixeiras fixas. "As lixeiras fixas ao chão e com algum tipo de tampa pesada impediria a bagunça dos macacos". Fora isso, só falta uma coisa para que o bosque Auguste de Sant-Hilaire seja um exemplo de local que enche os olhos dos que passam. E ela se resume a apenas duas palavras: consciência ambiental.

Fonte : FIC

Listar Todas Voltar