Weby shortcut
4884

Estudo aponta redução do desemprego no Brasil

Mais carteiras são assinadas com o aquecimento da economia do país

Por Wéber Félix

Dados divulgados no segundo semestre desse ano apontam alto índice de contratações formais e informais no Brasil. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a taxa de desemprego no país vem declinando desde 2009, chegando a esse período ao valor mínimo de 5,3 %.

De acordo com a pesquisa realizada pelo instituto, somente no segundo trimestre de 2013 foram gerados mais 16 milhões de postos de trabalho, o que representa um crescimento de 24% se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Segundo o economista, Everton Rosa, esse crescimento do mercado de vagas de emprego é resultado da política econômica adotada posteriormente a criação do real em 1994. Everton Rosa ressalta que a partir de 1999, o governo federal passou a aplicar uma política fiscal mais rigorosa, além de estimular a desvalorização do real e ainda instalou um regime de combate às taxas de inflação.

As medidas adotas, então, refletiram para que as exportações brasileiras se tornassem mais competitivas, o que levou a um superávit das commodities. Consequentemente, o Brasil passou a exportar mais e o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu. Internamente, com o aumento dos salários, a população passou a consumir mais, o que repercutiu no fortalecimento da economia.

Economia 1

Desconsiderando baixas e picos, taxa de contratações tem aumentado desdes 1999.

Geração de empregos

Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que o setor que mais gerou emprego nesse ano foi o de serviços. Em contrapartida, o setor industrial foi o que mais encolheu. A pesquisa do IBGE indica que a indústria fechou 33 mil postos de trabalho em agosto. A redução acumulada no setor, no segundo semestre, chegou à casa dos 98 mil empregos.

Para o economista, a geração de novos empregos, sendo a maioria formal, incide diretamente nos ânimos dos empresários brasileiros que passam a investir mais em suas produções. “Assim, ao elevar a demanda agregada pelo consumo, há posteriormente a elevação do nível de emprego, o que alimenta o ciclo econômico”, explica ele.

A contratação do recém-formado em jornalismo, Lairtes Chaves, é fruto da onda positiva do mercado. O profissional conta que sua admissão só foi possível porque o mercado está aquecido. “Aqui em Campo Grande a demanda por jornalistas tem aumento muito, eu tive muita sorte de sair da faculdade já empregado”, afirma o jornalista.

Everton Rosa ressalta que há dois cenários possíveis para a economia brasileira para os próximos anos. Caso haja sanções do próprio mercado, o governo poderá acirrar sua intervenção na economia através de ajustes fiscal, monetário, cambial. Se a postura adota for essa, “a geração de empregos tenderá a se estabilizar. Por outro lado, se a política adotada for diferente, há grandes chances de se criar uma espiral depressiva com queda do PIB, da renda e do emprego”, diz ele.

 

 

Fonte : Fic

Listar Todas Voltar