Weby shortcut
4884

Bariátrica ou reeducação alimentar?

Para além dos padrões de beleza em voga, o extremo do excesso de peso pode prejudicar a saúde. O que compensa mais? Investir em reeducação alimentar ou buscar a cirurgia bariátrica?

Por: Larissa Machado

A nutricionista goiana Fabiene Neves emagreceu 38kg após um ano de cirurgia bariátrica. Ela foi uma criança com sobrepeso e nunca obteve sucesso nas tentativas de emagrecimento com dietas e reeducação alimentar. Para ela, que sofria desde a infância com o sobrepeso e chegou a níveis excessivos nos últimos 3 anos, a cirurgia bariátrica foi a solução rápida e eficaz para resolver problemas de saúde com urgência.

 

JJ: Quando sua preocupação em controlar o peso iniciou? Você era uma criança que tinha sobrepeso?

Fabiene: Comecei a me preocupar com o sobrepeso quando me sentia mal ao vestir roupas, cansada ao fazer qualquer exercício, mesmo sendo coisas leves, da rotina diária. Na minha infância também fui uma criança com o peso maior que o das outras crianças e me sentia incomodada com isso.

 

JJ: O fato de você escolher um curso como nutrição teve algo a ver com sua insatisfação pessoal?

Fabiene: Teve sim. Tentei buscar na minha graduação uma forma de conseguir melhorar minha saúde, minha alimentação e estilo de vida. Só que, de certa forma, continuava frustrada, porque não conseguia aplicar na minha vida o que aprendia na faculdade e o que comecei a ensinar no trabalho.

 

JJ: Você já ouviu críticas em relação ao seu peso que te magoaram muito? Isso te motivou ou te deixou mais frustrada ainda?

Fabiene: As críticas são várias, é difícil achar pessoas para te motivar, te ajudar, dar apoio... Sempre falavam que eu devia ter iniciativa, que não podia continuar com o excesso de peso, que para uma nutricionista essa não deveria ser a realidade (e eu já era frustrada com essa constatação). Sofri preconceito. Para todos, eu deveria ser magra... E até pergutavam como eu iria atender meus pacientes sendo uma pessoa com obesidade. Acho que fui influenciada até na escolha da minha área de atuação profissional por também acreditar que obrigatoriamente uma nutricionista deveria ser magra, mas preferi trabalhar na área de produção de alimentação ao invés de consultório, me sentindo mais confortável e segura, conseguindo atuar e desempenhar perfeitamente minhas funções sem grandes preconceitos.

 

JJ: Qual sua real motivação ao fazer a cirurgia bariátrica: você não tentou a reeducação alimentar ou outra "dieta milagrosa" ou até persistiu, mas não obteve resultados?

Fabiene: Parti para a opção da cirurgia bariátrica por pensar que não teria uma outra solução para meu caso. O peso só estava aumentando, não conseguia reduzir nenhum grama em pelo menos 3 anos. Os exames só demonstravam o colesterol subindo e subindo... Atividade física? Não conseguia realizar, me sentia fadigada com pouco esforço, sem falar nos constrangimentos ao me vestir... Desmotivação para diversões com os amigos... Porque não podemos ser hipócritas, a pressão social conta muito para uma decisão como essa. Em relação a dietas milagrosas, bem, milagre não existe e nada cai do céu. Quando você faz a bariátrica você é limitado para comer, ela não tira a gordura de você, ela te faz comer menos. Por isso, milagre não existe nem com bariátrica. Reeducação alimentar, na minha opinião, continua sendo o melhor método de emagrecimento e manutenção do peso que te proporciona saúde, entretanto, em casos extremos, a urgência do emagrecimento por conta de problemas de saúde que vão se agravando exigem uma medida mais drástica como a cirurgia.

 

 

Fonte : FIC

Categorias : entrevista

Listar Todas Voltar