Weby shortcut
4884
Londres

Descomplicando Londres

Guia feito por estudantes promete auxiliar aqueles que têm interesse em estudar na capital inglesa

Por Laura Machado

O número de brasileiros indo estudar no exterior tem crescido nos últimos anos - só em 2012 foram 175 mil estudantes, 35 mil a mais que em 2009, um crescimento de 25% em apenas 3 anos. Entre os destinos favoritos dos estudantes brasileiros que escolhem estudar fora está Londres.

Em 2012 a goianiense Andréa Leonel, então estudante da Universidade Federal de Goiás (UFG), se mudou para Londres para cursar Relações Públicas na Universidade de Westminster, localizada na capital da Inglaterra. “Você chega e tem que se acostumar com a língua e, ao mesmo tempo, conhecer a nova universidade e se enturmar. É bem estressante no início”, relata a estudante.

Londres para estudantes

Com o intuito de ajudar estudantes brasileiros que tenham interesse em fazer o mesmo que ela fez, Andréa e uma colega de curso, Caroline Barbosa, também brasileira, decidiram fazer o “Quero Estudar em Londres”, um guia sobre tudo o que alguém precisa saber para fazer uma graduação nessa metrópole.

“O guia surgiu de uma vontade minha e da Carol de trazer mais estudantes brasileiros para Londres. A gente sabe que tem muita gente que vem para fazer inglês ou até pós-graduação, mas o número de brasileiros na graduação é bem baixo e nós achamos que uma das razões é a falta de informação disponível na internet”, conta Andréa Leonel, uma das idealizadoras.

Dividido em 14 capítulos, o guia procura auxiliar o estudante brasileiro em todas as etapas pelas quais ele provavelmente vai passar caso decida tentar entrar em alguma faculdade inglesa, começando pela explicação do processo de admissão e indo até o que fazer depois de formado.

“Nosso objetivo é que quando um jovem brasileiro decidir vir para Londres fazer graduação ele procure informações no Google e, ao encontrar nosso guia, ele solte um "ufa!", porque o processo não é difícil, mas, por ser muito diferente do Brasil, às vezes pode ser um pouco desencorajador. Por isso o guia pega na mão do estudante e passa por tudo junto com ele”, explica Andréa.

O que a princípio era para ser apenas um trabalho acadêmico para a disciplina de Relações Públicas Digital ganhou uma repercussão inesperada com 100 curtidas na primeira semana da página do facebook e parcerias com agências de viagem e associações de estudantes brasileiros no exterior.

Além do texto explicativo e praticamente didático, o guia conta também com links úteis e lembretes dos detalhes mais importantes vistos nas últimas páginas.

Estudar fora

Para quem ainda não leu o guia, Andréa aconselha comparar cursos e universidades e procurar informações sobre bolsas de estudo. O Ciência Sem Fronteiras, programa de bolsas do governo federal para graduação sanduíche, doutorado pleno, doutorado sanduíche e pós-doutorado, é uma das opções que mais tem contribuído para a expansão no número de viagens com fins acadêmicos.

Outra boa dica é procurar o departamento de sua universidade responsável pelas cooperações e relações internacionais. Na UFG, o órgão a ser procurado é a Coordenação de Assuntos Internacionais (CAI).

Fonte : Fic

Listar Todas Voltar