Weby shortcut
4884

Temperatura do planeta pode aumentar até 3,6 ºC nos próximos anos

A previsão é de que cerca de dois terços do total das emissões sofrerão um aumento de 20%

Por Giuliane Nascimento

 

No último dia 12, a Agência Internacional de Energia (AIE) alertou que o mundo ficará, a longo prazo, 3,6 ºC mais quente se os governos mantiverem os seus objetivos atuais. O resultado foi anunciado em Varsóvia, na Polônia, durante reunião que discutia as alterações climáticas.

Ainda segundo a AIE, as emissões de gases que provocam o efeito estufa em países desenvolvidos (e que representam cerca de dois terços do total dessas emissões) sofrerão um aumento de 20% até 2035, criando uma elevação de temperatura de muito acima dos 2 ºC indicados pela ONU como o limite para evitar as piores consequências das mudanças climáticas.

Alguns esforços já anunciados pelos países comprometidos com as preocupações ambientais, entretanto, a agência afirmou que o cenário futuro também leva em conta o impacto das medidas anunciadas pelos governos para melhorar a eficiência energética, o apoio às energias renováveis, a redução dos subsídios aos combustíveis fósseis e, em alguns casos, a colocação de um preço nas emissões de gás carbônico.

Previsão

A AIE prevê em seu Panorama Mundial de Energia 2013 (World Energy Outlook 2013) que o uso de carvão, a fonte de energia mais poluidora, deve aumentar 17% nos próximos 22 anos, e isso principalmente por causa da China, que queima tanto carvão anualmente quanto o resto do mundo somado. O panorama também alerta que o mundo continuará se voltando para a energia nuclear.

De acordo com Maria van der Hoeven, diretora executiva da AIE, esse não é o único problema persistente no setor de energia que exige soluções de longo prazo. “O acesso à energia moderna – uma forma básica de segurança energética – continua a não chegar a quase um quinto da população mundial”, admitiu.

Segundo consta a Agência Brasil, o departamento de energia da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) já apoiou as iniciativas recentes da política climática internacional, entre as quais o plano de ação apresentado pelo presidente americano Barack Obama; o anúncio de Pequim relativo a uma limitação de carvão; e o debate europeu sobre metas climáticas para 2030.

Fonte : FIC

Listar Todas Voltar