Weby shortcut
4884
MARCONI

Projeto Centro-Oeste Competitivo estima investimentos de R$ 61 bilhões até 2020 para a região

Ação, que é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e  Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA),  prevê a execução de 106 projetos prioritários

Marcelo Gouveia

Com o objetivo de  resolver os problemas e gargalos na infraestrutura logística de transportes, o projeto Centro-Oeste Competitivo estima investimentos de R$ 61 bilhões até 2020 para a região. Ao todo, a região precisa de investimentos de R$ 36,4 bilhões até 2020 para garantir o escoamento ágil e eficiente da produção agropecuária.

O plano, que é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e  Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com as federações da indústria e da agricultura e pecuária dos estados da região e do Distrito Federal, prevê a execução de 106 projetos prioritários.

O Projeto Centro-Oeste Competitivo assegura que o setor produtivo da região gasta R$ 60,9 bilhões ao ano com o transporte de cargas, equivalentes a 8,7% do Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no Distrito Federal e nos três Estados. Gastos que podem ser abatidos em R$ 7,2 bilhões por ano com a execução dos projetos prioritários para a construção de uma malha logística adequada.

Das 106 obras prioritárias para a região, 19 (16,4%) estão em andamento. As demais estão em fase de projeto ou apenas nos planos governamentais. O levantamento da CNI e da CNA identificou 26 projetos no transporte ferroviário, com custos de R$ 17,5 bilhões; 24 projetos na estrutura portuária, que vão exigir R$ 8,4 bilhões; e 34 obras essenciais para melhorar o transporte fluvial, com investimentos de R$ 6,7 bilhões.

Goiás

O governador confirmou no início do mês de novembro a participação do Estado de Goiás na ação. Após ouvir o discurso do presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, e da Faeg, José Mário Schreiner, o governador sugeriu uma reunião com os outros governadores do Centro-Oeste e com os presidentes da CNA e CNI para unir esforços na busca de soluções, e disse que trataria ainda hoje de organizar o encontro.

A criação do projeto foi amparada no resultado de pesquisas que apontam as principais dificuldades da região e as possíveis intervenções para solucioná-las. O governador afirmou que a solução para os entraves que ainda impedem maior crescimento do Centro-Oeste deve ser construída entre o Governo Federal, os estaduais e os municipais, junto com a iniciativa privada, por meio de concessões.

 “Esse estudo aponta a necessidade de o Governo Federal duplicar, através de concessão ou de recursos do Orçamento Geral da União, a Belém-Brasília, operacionalizar a Ferrovia Norte-Sul, construir a ferrovia de integração do Centro-Oeste; a que vai ligar a Norte-Sul a Ilhéus, na Bahia; a ferrovia que vai ligar a Norte-Sul, na cidade de Uruaçu, até o Rio de Janeiro, cortando Goiás e Minas Gerais, além do aeroporto de cargas de Anápolis que nós estamos construindo”, afirmou.

Fonte : FIC

Listar Todas Voltar