Weby shortcut
4884
artesmarciais

A popularização das artes marciais

Lutas vêm ganhando espaço no Brasil, destaque na mídia e conquistando homens e mulheres de todas as idades

Por Caroline Guimarães

O termo ‘artes marciais’ é ocidental e latino, uma referência às artes da guerra e luta. Durante muitos anos, eram práticas utilizadas pelos exércitos, que desenvolviam habilidades e lutavam contra um povo inimigo. Com o passar do tempo, modalidades originadas dessas artes marciais primárias foram surgindo, agora com o objetivo de ensinar defesa pessoal e participar da formação do caráter humano.

 Nos últimos anos, as lutas estão cada vez mais populares no Brasil e no mundo. Seja em busca de saúde, um corpo esbelto ou para aprender as técnicas, as academias estão lotadas dessas novas modalidades. O atleta e treinador de muay thai, Leonardo Lívio, acredita que as modalidades têm se tornado uma verdadeira febre, porque é um meio alternativo das pessoas se exercitarem e fugirem do marasmo da musculação.

Além disso, as lutas trazem inúmeros benefícios. “É uma modalidade que melhora a condição cardiorrespiratória, flexibilidade, trabalha a definição corporal e ajuda a perder muitas calorias. Além de aliviar o stress e ensinar um pouco da filosofia e golpes de uma verdadeira arte marcial oriental”, afirma Leonardo.

Lutas que durante muito tempo eram sinônimo de briga e violência, como o boxe, MMA, taekwondo, jui jitsu muay thai, por exemplo, estão conquistando mulheres e homens de várias idades. “A maioria das pessoas procura as lutas para mudar o corpo, mas quem tem interesse em lutar logo se revela e começa a levar a sério”, conta Leonardo Lívio.

 O treinador, que hoje tem sua própria academia, entrou nesse ramo por curiosidade, mas ficou fascinado pela competição. Influenciado por seu professor, viajou para Tailândia e se especializou ainda mais no muay thai. Já ganhou muitas competições estaduais, nacionais e internacionais.

Eduarda Prado faz aulas de muay thai há quase um ano. Teve curiosidade por ver como a modalidade estava crescendo nas academias e sendo muito divulgada na mídia. Hoje, se encantou pelo esporte. “Requer muita atenção e dedicação da minha parte. Além disso, ajuda na defesa pessoal e tira todo meu stress”, afirma Eduarda.

Já Bárbara Cavalcante começou a fazer taekwondo influenciada pelo seu professor de educação física do ensino fundamental, que era mestre na modalidade. “A luta me ajudou a ser mais sociável, aprendi a me comunicar melhor com as pessoas e vencer um pouco a timidez. Também consegui me tornar uma pessoa mais tranquila”, conta Bárbara, que luta há nove anos e é faixa preta em taekwondo.

Para Guilherme Gomes, lutar é um meio que ele encontrou para se superar e ser forte diante dos problemas da vida. Há dois anos ele luta jiu jitsu e costuma dizer que sua equipe, a Fighters Team, se tornou uma segunda família. “Tem o público que procura a luta por status, pelo corpo e pelo esporte. Eu busco o esporte”, afirma Guilherme.

O atleta e treinador, Leonardo Lívio, acredita que, mesmo que a intenção seja apenas se exercitar, a luta sempre vai trazer algo a mais para quem pratica. “Sei que o Muay Thai mudou minha vida, e espero fazer isso na vida das pessoas também. Me ensinou a ter foco, força de vontade e nunca desistir, lições que levo pro ringue e para os meus alunos”, ressalta.

Fonte : Facomb

Categorias : Esporte

Listar Todas Voltar