Weby shortcut
4884

Cirurgia plástica é para ser solução, mas pode virar problema

Melhorar a aparência é o objetivo de muitas pessoas, mas é preciso saber até onde isso vale a pena

Pedro Marinho

O estereótipo de beleza está cada dia presente na vida das pessoas. O indivíduo sempre acha que tem alguma coisa errada em seu corpo em função do padrão de beleza que é instituído pela sociedade. Antigamente a cirurgia plástica era aplicada por uma questão de doença, para prevenir de uma doença, como no caso da retirada da glândula mamária para se evitar o câncer de mama.

Apesar de ainda existir esse tipo de cirurgia preventiva nos dias atuais, o que mais se tem visto são pessoas insatisfeitas com alguma parte do corpo e fazem a cirurgia apenas para tentar ficar mais bonita. O Brasil ocupa a terceira posição no ranking mundial em proporção de cirurgias plásticas por pessoa, com 4,6 procedimentos por mil habitantes. Os Estados Unidos lideram em números absolutos, com a proporção de 3,5 operações por mil habitantes, com 1,1 milhão de procedimentos em 2011.

No mesmo ano, foram feitas no Brasil 905,1 mil operações. O aumento da procura por tais operações no Brasil atingiu 43,9% entre 2008 e 2011, revela pesquisa feita pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Um dos motivos desse aumento no número de cirurgias foi o crescimento das classes baixas do país, já que com dinheiro sobrando, as pessoas procuram melhorias que nem sempre seria prioridade.

Alerta

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Pedro Tornnin, as pessoas precisam ter cuidado ao realizar a cirurgia. “Esse é o sonho de muitos homens e mulheres e esse tipo de operação está cada ano mais acessível. O crescimento da facilidade para se realizar uma plástica, no entanto, exige cuidado redobrado do paciente para que o desejo de melhorar o visual não se transforme em um problema”, afirma o especialista.

A funcionária pública Regina Guimarães considera que esse tipo de cirurgia tinha que ser restrito para quando fosse apenas necessário. “Eu acho que as pessoas estão muito preocupadas em ficarem bonitas e às vezes esquecem que a cirurgia plástica não deixa de ser um procedimento cirúrgico e com isso pode trazer problemas no futuro. Para mim, esse tipo de cirurgia só deve ria ser realizada em casa de necessidade”, disse.

Categorias : Saúde

Listar Todas Voltar