Weby shortcut
4884

Pesquisar preços ainda é a melhor saída para brasileiros

Pesquisas realizadas pelo PROCON de vários estados brasileiros revelaram uma diferença de mais de 1.000% no preço sobre um mesmo produto de material escolar, agora, na volta às aulas.

Por Sindy Guimarães

 

Com o fim das férias e a consequente volta às aulas, os pais e mães em todo o país tem tomado um grande susto com o preço dos materiais escolares.
 
Apesar de os produtos que compõem a lista de materiais escolares terem subido menos que a inflação acumulada do ano passado, os economistas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV) dizem que os vão ter uma alta acentuada este mês e consequentemente pressionar o custo de vida.
 
Já em 2013, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), os preços dos materiais escolares subiram 8% na comparação com 2012. Para conseguir preços mais em conta é preciso pesquisar nas lojas e fazer compras em grupo. De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FGV,  o material escolar, excluindo livros, subiu 5,31% entre janeiro e dezembro de 2012, enquanto a inflação no período alcançou 5,74%.
 
Segundo a Fundação PROCON de São Paulo, as escolas só podem pedir materiais utilizados em atividades pedagógicas diárias dos alunos como canetinhas, borracha, tinta guache, papel dobradura, lápis. Os itens devem ser solicitados em quantidades coerentes com as atividades que serão realizadas. E as escolas não podem exigir uma marca específica. Os pais devem ter a liberdade de comprar a marca que melhor lhes convier.
 
A pesquisa do PROCON de Corumbá mostrou que a variação de preços de materiais escolares pode superar 1.000%. O levantamento apurou valores de 33 produtos em cinco papelarias da cidade. A maior diferença de preço identificada pela pesquisa comparativa do órgão, foi no valor da régua de 15 centímetros. O mesmo produto pode ser comprado pelo valor mínimo de R$ 0,25 e pelo máximo de R$ 3. Variação de exatos 1.100% entre o preço mais barato e o mais caro. A régua de 30 centímetros também teve alta variação. Pode ser encontrada por R$ 0,30 ou por R$ 3. Diferença de 900%.
 
A maioria dos materiais escolares pesquisados pelo PROCON de Corumbá trouxe uma oscilação de preços na casa dos três dígitos percentuais entre estabelecimentos com maior e menor valor. Um apontador de lápis com depósito, por exemplo, pode ser encontrado por R$ 0,30 ou R$ 2. A variação, nesse caso, é de 566,67%. A mesma diferença percentual foi identificada para o lápis grafite nº 02, que tem preços oscilando entre R$ 0,15 e R$ 1.
Fiscais do PROCON de Alagoas também fizeram uma análise de preços. Foram mais de 20 produtos em diferentes estabelecimentos. O item de maior variação de preço foi o caderno de capadura com 200 folhas, que pode variar de R$ 6,00 até R$ 20,00. Outro produto que sofre grande ocilação é a caixa de tinta guache, que pode ser encontrada por R$ 2,20 e pode chegar até R$ 11,00

Confira a baixo a lista dos produtos pesquisados pelo PROCON de Alagoas.
                                                        
PRODUTOS
ITEM Menor Preço Maior Preço
Lápis preto nº 2 R$ 0,20 R$ 1,30
Lápis de cor cx G c/12 cores R$ 1,99 R$ 5,99
Caneta esferográfica (diversas cores) R$ 0,40 R$ 0,80
Borracha Branca Látex - Unidade R$ 0,20 R$ 0,60
Cola Bastão 10g R$ 0,20 R$ 0,60
Cola Bastão 40g R$ 0,40 R$ 0,70
Cola Bastão 90g R$ 0,80 R$ 1,60
Régua plástica cristal (fina) 30cm R$ 0,30 R$ 0,50
Apontador de lápis c/ depósito R$ 0,50 R$ 3,00
Apontador de lápis s/ depósito R$ 0,15 R$ 1,00
Papel Sulfite Branco A4 c/ 100 folhas R$ 2,70 R$ 4,99
Papel Sulfite Branco A4 Resma R$ 11,90 R$ 15,50
Caderno Universitário - Grande Capa dura espiral 96 folhas R$ 3,70 R$ 16,40
Caderno Universitário - Grande Capa dura espiral 200 folhas R$ 5,90 R$ 25,80
Caderno Brochura Peq. - Capa flexível 96 folhas R$ 1,50 R$ 3,99
Caderno Brochura Peq. - Capa dura 96 folhas R$ 2,00 R$ 4,99
Já em são Paulo a pesquisa sobre valores de materiais escolares detectou diferença de até 450% no preço de um mesmo produto. O estudo, realizado pela fundação PROCON-SP, analisou os preços de materiais escolares em 78 estabelecimentos divididos em 10 regiões do Estado de São Paulo.
Na capital, onde foram analisados 195 itens, o produto com maior variação no preço foi a borracha látex (branca), partindo de R$ 0,40 até R$ 2,20, informa nota do Procon-SP distribuída à imprensa. Já no interior, a maior diferença foi registrada em Jundiaí, onde foram analisados 140 itens, a caneta esferográfica ponta fina 0,7 milímetros que custava R$ 0,85 em um estabelecimento foi encontrada por R$ 4,50 em outro, diferença de 429%.
Em nota, a recomendação da diretora de estudos e pesquisa da Fundação Procon-SP, Valéria Garcia, é para o consumidor verificar a procedência e a qualidade dos produtos, evitando a compra em vendedores ambulantes.

Fonte : FACOMB

Categorias : economia

Listar Todas Voltar